Buffer

7 - As Contribuições de Galileu e Newton

Revolução Científica

'Revolução Científica' é um termo cunhado pelo historiador da Ciência Alexandre Koyré em 1939 para designar o período do século 16 ao 18 na Europa em que as idéias científicas e filosóficas medievais que constituíam a chamada Filosofia Natural deram lugar aos fundamentos da Física, Química, Biologia, Astronomia, Medicina e Matemática como as conhecemos hoje, como veremos abaixo.

Segundo Roque,

"Na historiografia tradicional, o papel de Descartes e de suas contribuições à geometria aparece ora desconectado desse contexto mais amplo, ora como consequência vaga, no máximo de natureza filosófica" (ROQUE, 2012, p. 278).

Considera-se que a Revolução Científica foi deflagrada pela publicação, em 1543, de dois trabalhos revolucionários:

Principais mudanças da Revolução Científica:

  • do Geocentrismo para o Heliocentrismo (Copérnico, Kepler, Galileu)
  • do continuísmo da matéria e 4 elementos (Aristóteles) (vide aula anterior) para o Atomismo (Boscovich)
  • da teoria dos graves, imponderáveis, causas finais e lugares naturais (Aristóteles) (vide aula anterior) para a Filosofia Mecanicista (Descartes, Galileu, Newton)
  • da teoria dos 'motores' (Aristóteles) (vide aula anterior) como causa do movimento para o conceito de inércia (Newton)
  • de uma argumentação filosófica para uma descrição matemática (Galileu)
  • do estudo puramente teórico dos clássicos para um ensino com aulas práticas, tais como as dissecações (Vessalius)
  • da noção de sistemas venoso e arterial separados (Galeno) para a noção de sistema circulatório único, impulsionado pelo coração (Harvey)

Ruptura

A Revolução Científica marca, na Europa, a cisão entre:

Marca, também, uma separação sujeito e o Universo. O sujeito, agora, se torna um observador externo ao Universo, o qual analisa como um objeto de estudo, uma máquina. Para tal, como vimos na aula As Contribuições de Galileu e Newton,  contribuiu fortemente a introdução da perspectiva.

Revolução Científica?

O termo 'Revolução científica' é contestado por vários historiadores.

Continuísmo

Os continuístas defendem que não houve uma ruptura radical, mas um desenvolvimento gradual e contínuo das Ciências desde a Idade Média, embora num ritmo diferente, desde o chamado Renascimento do século XII e a chamada Revolução Científica Islâmica, do século VIII ao XII. 

Migração cultural?

Outra visão é de que aquelas principais mudanças da 'Revolução Centífica' tem raízes em influências multiculturais dentro da Europa e decorreram de 'migrações culturais' e que, de acordo com Bala (2006), sua ignorância deriva de um Eurocentrismo, tal como discutimos na aula História da Epistemologia.

Assim, por exemplo:

  • o Realismo matemático já estava presente no De Aspectibus de Ibn Al-Haitham (islâmico do séc. X)
  • o Mecanicismo teria sido influenciado pela tecnologia chinesa (séc. I a X)
  • o Atomismo já aparece na matemática e atomismo indianos (sec. VII a.C.)
  • o Heliocentrismo já é discutido nos vedas indianos (séc. X a.C.)

Artífices da 'Revolução Científica' Européia

Apesar de tudo o que foi visto acima, os personagens abaixo são considerados os 'artífices' da Revolução Científica Européia.

O progresso da burguesia precisava de uma ciência progressista. Como diz Roque (2012),

"No final da Idade Média, enquanto se desenvolvia uma cultura urbana, começavam a proliferar oficinas nas quais os técnicos colaboravam entre si para desenvolver uma tecnologia que atendesse às demandas dos novos tempos" (ROQUE, 2012, p. 295).

Apesar disso, as Universidades mantinham seu currículo medieval, opondo-se ativamente ao desenvolvimento científico e mantendo as ciências como servas humildes da Teologia.

Como veremos na aula As Contribuições de Galileu e Newton, a ética protestante, que valorizava o trabalho e a exploração da Natureza, incentivou a investigação científica dessa mesma Natureza.

René DescartesComo vimos na aula História da Epistemologia, Descartes separou o espírito da matéria e afirmou que todos os seres eram máquinas. Ao introduzir a Análise, como método filosófico, provocou a fragmentação do conhecimento, antes agregado sob a denominação geral Filosofia Natural, em disciplinas, tais como Física, Química, Matemática, Biologia, Medicina, Astronomia, etc.

Gassendi imaginou o Universo como composto de átomos, presididos por um Criador onipotente. 

Francis Bacon rejeitou o Aristotelismo e o Escolasticismo, pregando uma Ciência inspirada pela Religião mas confirmada pela verificação experimental.

Giordano Bruno, influenciado pelo Hermetismo, defensor do Humanismo, pregava o Heliocentrismo e que o Universo era infinito, contendo uma infinidade de estrelas e planetas, nos quais, existiria vida inteligente.

Veja também esta página:


As Contribuições de Galileu & NewtonContinue conhecendo as contribuições de Galileu e Newton para a Ciência.

Voltar à Parte Anterior


Voltar a Minhas Aulas.


Citar esta página:
dos SANTOS, Renato P. . In Física Interessante. 4 Aug. 2014. Disponível em: <>. Acesso em: .

Voltar ao começo desta página

Voltar à página principal de Física Interessante


e-books Grátis


View Renato P. dos Santos's profile on LinkedIn

Renato P. dos Santos